Machôa em festa III edição - Um dia pela vida

António Ferrera tentou na Herdade de Pérogas

Padilla, um toureiro grato

Padilla, um toureiro grato

Tem por divisa que “o sofrimento é a outra face da glória” e o corpo marcado por mais

de trinta cornadas. Chama-se Juan José Padilla é matador de toiros natural da cidade

espanhola de Jerez de la Frontera e actua esta quinta-feira no Campo Pequeno, praça

onde é idolatrado.

Atravessando o melhor momento da sua careira artística, Juan José Padilla é, acima de

tudo, um homem reconhecido quando afirma:”Não tivesse sido a aposta que a empresa

do Campo Pequeno fez em mim, e que jamais esquecerei, e não teria tido a satisfação de

ter entrado no coração dos aficionados portugueses”.

Ser neste momento um verdadeiro ídolo dos aficionados portugueses, faz com que

Padilla se sinta “profundamente orgulhoso pelo carinho, apoio e respeito que sempre

deles tenho recebido”

“Fazer o ‘paseíllo’ no Campo Pequeno, nessa praça inigualável, faz-me sentir uma

especial afinidade com o público e com o ambiente”, acrescenta.

Aos aficionados que esta quinta-feira vão encher o Campo Pequeno, deixa como

mensagem que “podem estar seguros de que a minha vontade e seguramente a dos meus

companheiros de cartel é a de dar o máximo para proporcionar uma grande noite de

toiros”.

O cartel de inauguração da temporada leva os nomes do cavaleiro João Moura, dos

matadores Juan José Padilla e Roca Rey (peruano) e dos forcados amadores de Vila

Franca de Xira, capitaneados por Ricardo Castelo. Os toiros (dois) para a lide a cavalo

pertencem à ganadaria de Mário e Herdeiros de Manuel Vinhas e à ganadaria dos

Herdeiros de Varela Crujo, para a lide a pé (quatro).


Machôa em festa III edição - Um dia pela vida

António Ferrera tentou na Herdade de Pérogas