Corrida de Gala á Antiga Portuguesa no dia 7 Julho em Coruche

Praça de Toiros Amadeu Augusto dos Santos, Montijo.

Carta Aberta ao Exmo Senhor Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim Engº Aires Pereira


Carta Aberta ao

Exmo Senhor Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim

Engº Aires Pereira


Exmo. Senhor Presidente

Li hoje notícias que diziam ter V. Exa declarado, no programa radiofónico “Praça de Almada”, da rádio Onda Viva, que depois de 2018, cito, “não haverá mais corridas de touros na Praça de Touros da Póvoa do Varzim”.

Esta notícia não me surpreende, já que de há alguns anos a esta parte o Senhor Presidente tem mostrado que alinha com movimentos anti-taurinos, mesmo que isso ofenda uma parte importante da identidade da cidade que lhe compete defender, na qual se conhecem registos da realização de touradas desde o século XIX (ainda numa praça de touros de madeira, como era normal na época) e que todos os anos revela que essa identidade está bem viva, com as corridas a esgotar a lotação da Praça, uma atrás de outra.

Recordo sem dificuldade como, em maio de 2016, declarou que não proibia as touradas porque a lei não o permitia, mas passava a cobrar 8 mil Euros pelo aluguer da Praça de Toiros. O que diz desde logo muito do modo como encara a sua função: é contra as touradas mas, se vierem uns tostões, pois que … “siga a Festa”.

Desta vez a ameaça é a de que realizará obras na Praça de Touros da Póvoa de Varzim que, ao contrário do que aconteceu em muitos outros lugares, onde antigas Praças de Touros foram transformadas em espaços multiusos, sem perder a sua função taurina, tornarão impraticável o toureio no recinto a intervencionar.

Mas faz mal, muito mal, sendo contra a realização de espetáculos taurinos, o que é um direito seu que não ponho em causa (cada um é livre de gostar ou não gostar da Festa de Toiros), não colocar acima dos seus gostos pessoais os interesses da sua terra e do país.

Pois bem, Senhor Presidente, digo-lhe, em nome das centenas de milhar de aficionados que vão à Póvoa de Varzim assistir às corridas de toiros que aí se realizam ou as vêm nas transmissões televisivas, que será o seu município a perder.

Essas centenas de milhar de cidadãos têm um carinho especial pela cidade de que é edil. Mas não compreenderão a sua atitude se não como uma agressão motivada por meras razões ideológicas e de idiossincrasia pessoal, assim espoliando a Póvoa de Varzim de um dos principais emblemas identitários que a caracterizam e distinguem.

É claro que a cidade da Póvoa de Varzim não tem culpa de ter um Presidente que se manifesta desta forma. A democracia não é perfeita e temos todos assistido com alguma frequência – e também já assistimos no passado, de forma trágica – à eleição democrática de pessoas autoritárias que acabam, a prazo, por prejudicar aqueles que neles confiaram.

Vivemos tempos de expansão do totalitarismo, da intolerância, do “pensamento único” e do extremismo, tenha ele o nome de xenofobia, sexismo, animalismo, ou outro qualquer.

V. Exa está a colocar-se do lado dessa tendência, em oposição ao lado da democracia cultural. Faz mal. Mas olhe que está a tempo de arrepiar caminho. Fazia bem à cidade a cuja Câmara Municipal Preside, e prestaria um serviço ao país, que se quer democrático e plural.


O Presidente da Direção da ATTP

______________________________

(Luís Capucha)

Alagoa, 10 de junho de 2018


Corrida de Gala á Antiga Portuguesa no dia 7 Julho em Coruche

Praça de Toiros Amadeu Augusto dos Santos, Montijo.